Tudo o que você precisa saber sobre Urticária

O que é urticária?

É uma doença de pele em que placas avermelhadas como picadas de mosquitos (empolamentos) aparecem em vários locais do corpo, geralmente coçam bastante.

Essas placas normalmente duram menos de 24hs e desaparecem sozinhas ou com uso de medicamentos, sem deixar marcas, podendo aparecer em outro local logo depois. Em algumas pessoas podem aparecer inchaços (angioedema), geralmente na boca, pálpebras, mãos e pés. O angioedema demora mais a sumir, até 72hs. O mastócito é uma célula presente em nossa pele que geralmente é a responsável pela urticária. Essa célula libera um mediador químico chamado histamina que quando liberada na superfície da pele causa a urticária e na parte mais profunda da pele o angioedema.

25% da população desenvolverá alguma forma de urticária em algum momento da vida embora apenas 3% desenvolverá a forma crônica. É menos comum na infância.

Urticária não é uma doença contagiosa!!
Existem várias formas de urticária e causas variadas, por isso é muito importante conhecer detalhadamente a história do paciente para diagnosticar corretamento a forma de urticária e com isso iniciar o tratamento específico que pode ser desde evitar o fator desencadeante até medicamentos por períodos prolongados.

Quais as formas de urticária?
Costuma-se dividir a urticária de acordo com o tempo em forma aguda quando dura menos de 6 semanas e forma crônica quando aparece na maior parte dos dias por mais de 6 semanas.

As causas mais comuns de urticária aguda são:
Alimentos: leite de vaca, ovo, trigo, amendoim, castanhas, frutos do mar, etc
Medicamentos: principalmente anti-inflamatórios (dipirona, diclofenaco, aas) e antibióticos. Infecções: Virus e bactérias.
Picadas de insetos: veneno de abelhas, marimbondo ou formiga.
Urticária de contato: Ao contato com algum creme, produto ou planta a lesão aparece no local.

A urticária crônica (>6 semanas de lesões) também pode ter várias causas:
Urticária crônica espontânea: É a mais frequente e as lesões aparecem sem que algo de fora seja o responsável.
Dermografismo: A pressão contra a pele leva ao rápido aparecimento da urticária no local, como lanhados. Causa muito comum de urticária. Desaparece por completo em <30 minutos.
Urticária ao frio: O contato com local frio ou ao encostar em algo muito gelado a urticária aparece.
Urticária solar: Raro tipo de urticária em que as lesões aparecem em áreas do corpo expostas ao sol.
Urticária aquagênica: Tipo muito raro em que ao contato com água as lesões se formam.
Urticária colinérgica: Bastante comum, pequenas lesões aparecem ao aumentar a temperatura corporal, como, por exemplo, em um banho quente, ou ao praticar atividade física intensa.

Posso morrer de urticária?
O edema de glote e choque anafilático são mais comuns na urticária aguda, sendo muito raro nas formas crônicas. Então o paciente que tem alergia a amendoim ou frutos do mar, por exemplo, deve tomar os devidos cuidados para evitar esses alimentos e estar com medicação preparada para o caso de uma ingestão acidental. O mesmo vale para aqueles com alergia a medicamentos ou picada de insetos.

A urticária tem cura? Como se trata?
O tratamento para as formas agudas e evitar o fator causador. Sempre lembrando que as vezes por mais cuidadoso que você seja pode acidentalmente ingerir um alimento que tem alergia ou tomar um medicamento errado. É importante você ter uma orientação do seu médico sobre o que fazer nesses casos. Uso de antialérgicos, corticoide e até adrenalina auto-injetavel pode ser preciso.

A urticária crônica geralmente regride espontaneamente com o tempo. 50% dos pacientes tem regressão da doença em 6 meses e a grande maioria em até 5 anos. Além disso para aqueles pacientes que tem uma causa para a urticária devemos evitar esse fator.
Nos casos de urticária crônica espontânea, em que a doença pode se manter por anos e causar extremo desconforto para o paciente devemos usar como medicamento principalmente os anti-histamínicos (antialérgicos) mais modernos de segunda geração. Esses remédios são muito seguros, não engordam e diferente dos antialérgicos antigos como hixizine e polaramine não dão sono. Estudos mostraram que podem ser usados com segurança até 4x/dia por períodos prolongados de anos se preciso. Eventualmente durante uma crise e por curto período podemos também usar corticoide oral. Nos casos mais graves e com pouca resposta ao tratamento convencional utilizamos principalmente o omalizumabe (Xolair), uma droga inicialmente usada para asma grave mas que se mostrou excelente para os casos de urticária crônica refrataria ao tratamento convencional.

O correto diagnóstico da urticária e sua classificação são essenciais para o tratamento adequado. Devemos evitar dietas malucas em que se tira todos os corantes, condimentos e conservantes dos alimentos no intuito de melhorar as lesões e tudo que se consegue é complicar ainda mais a vida e criar mais estresse para o paciente. Já vi crianças comendo somente carne de rã e arroz integral e nem por isso as lesões melhoraram.

Com as medicações atuais é possível um controle completo da urticária na quase totalidade dos casos. Se você quiser se aprofundar mais no assunto existe um livro escrito para pacientes e disponibilizado gratuitamente para download através desse link