Teste alérgicos

30% da população tem algum tipo de alergia

Descobrir ao que você é alérgico é um passo fundamental para o tratamento adequado.

Quando combinado com uma história clínica detalhada os testes ajudam a encontrar a causa da reação alérgica e muitas vezes evitando o contato é possível curar ou ao menos amenizar as alergias. Os testes ajudam a diagnosticar alergias a poeira, fungos, pelos de animais, picadas de insetos, alimentos diversos, medicamentos, produtos químicos, metais etc.

Quais são os principais tipos de testes alérgicos?

Teste cutâneo (prick teste)


Uma gota do alérgeno suspeito é colocado no antebraço do paciente. Várias substâncias podem ser testadas ao mesmo tempo, sendo as principais ácaros, fungos, pelos de animais, mosquito, pólem, látex, alimentos. Uma pequena escoriação é feita com um punctor e após alguns minutos uma pequena pápula irá se formar no local da substância que você tem alergia.

Esse teste é rápido e feito geralmente logo na primeira consulta, praticamente indolor, podendo ser realizado em todas as idades.

Exames de sangue
Vários exames de sangue podem ser solicitados pelo alergista para ajudar no diagnóstico de alergias e imunodeficiências. É muito comum a solicitação da IgE específica para um determinado antígeno, como um alimento ou poeira por exemplo. IgE total, hemograma e outras imunoglobulinas pode ser necessários.

Tambem constuma-se solicitar exames para descartar outras doenças não alérgicas.



Teste de contato
Usado para diagnosticar alergia ao contato com diversos produtos. Você bota um brinco de bijuteria e o lóbulo da orelha fica vermelho, coçando e descamando? Provavelmente é alergia ao níquel. Usa um desodorante e a axila fica irritada? Usa esmalte e as pálpebras, pescoço e face começam a descamar? Esses são exemplos de alergia de contato a produtos que podem ser investigadas com o teste de contato. Uma bateria com diversas substâncias alergênicas é colocada nas costas do paciente e ele vai para casa retornando após 2 dias para a primeira leitura. É então retirado o teste, feito uma marcação com caneta e anota-se o que já deu positivo. O paciente e liberado para casa e solicitado a expor a área do teste ao sol por 30 minutos. Algumas substâncias só positivam quando expostas ao sol, são fotossensíveis, como por exemplo o limão que só queima a pele quando exposto ao sol. O paciente então retorna no dia seguinte para a segunda e última leitura.


Esse teste é totalmente indolor porem dá um certo trabalho para o paciente que tem que voltar na clínica 3 vezes (uma para colocar o teste e outras 2 para ler) e incomoda um pouco ficar com o teste nas costas, principalmente em épocas quentes como no verão.

Teste de provocação medicamentosa e alimentar
Muitas vezes o paciente não sabe se realmente é alérgico a um medicamento. Quando criança ficou vermelho ao tomar um antibiótico para tratar uma infecção e foi diagnosticado como alérgico a penicilina. Ou durante um procedimento dentário em que o cirurgião dentista usou anestésico local, antibiótico e anti-inflamatório se sentiu mal e não se sabe se foi uma alergia a algum desses medicamentos. Nesses casos é indicado um teste de alergia a medicamentos.

Durante a consulta o médico vai selecionar os prováveis medicamentos causadores da reação adversa e estes serão testados. Muitas vezes o teste se inicia com um simples teste de punctura seguido de um teste intradérmico, quando um pouco da substância é injetada logo abaixo da pele. Geralmente é preciso fazer tambem um teste de provocação, quando é então dado ao paciente o medicamento suspeito em doses progressivamente maiores para ver se ele terá alergia. Nesse teste é possível que o paciente desenvolva uma reação alérgica que vai de uma simples urticária, rinite ou alterações gastrointestinais como vômitos até falta de ar e muito raramente choque anafilático. Por esse motivo esse teste só deve ser feito por profissional habilitado e experiente em reverter reações alérgicas agudas e em ambiente hospitalar. O teste de provocação com alimentos é feito quando se suspeita de uma alergia alimentar e o teste de punctura ou de sangue não foi conclusivo ou simplesmente não existe teste para esse alimento. Tambem é feito quando o paciente quer reintroduzir o alimento na dieta uma vez que os testes de sangue ou punctura já mostram que ele não é mais alérgico, ele se dessensibilizou. Muito comum no caso de crianças com alergia a leite de vaca ou ôvo, que com o tempo tendem a perder essa alergia. Da mesma forma do teste de provocação com medicamentos o alimento é dado ao paciente em doses progressivamente maiores e avalia-se uma possível alergia.

PPD
Exame de triagem padrão usado para identificar a sensibilidade a Mycobacterium tuberculosis e assim auxiliar no diagnóstico de tuberculose. Nesse exame é injetado logo abaixo da pele (intradérmico) proteinas derivadas da bactéria da tuberculose e é feito uma leitura após 48-72Hs.

Suporte hospitalar

Mais segurança para você e sua família

O Serviço de Alergia e Imunologia da Policlínica de Botafogo fica dentro do hospital, ao lado da emergência o que garante total segurança ao paciente caso uma reação alérgica aconteça durante o teste. Contamos com equipe experiente e treinada para lidar com reações alérgicas agudas além de pronto socorro totalmente equipado e CTI no hospital. No entanto, reações desse tipo são raras quando se tomam os devidos cuidados e os protocolos são seguidos.