Alergia emocional: por que ela surge?

imunidade baixa
Imunidade baixa: o que é, sintomas e como tratar
5 de março de 2022
consulta online alergista
Alergista online: como funciona e quais as vantagens do atendimento médico virtual?
13 de março de 2022

Alergia emocional: por que ela surge?

alergia emocional

alergia emocional

A alergia emocional pode se manifestar no corpo como uma resposta à sobrecarga emocional, mas pode ser controlada por meio de tratamento adequado.

A alergia emocional surge como uma reação natural do organismo humano quando as emoções funcionam de forma inadequada, e com isso, provocando irritações na pele.

Portanto, trata-se de uma manifestação nociva dos anticorpos em defesa do organismo e está diretamente associada aos aspectos da saúde emocional.

Contudo, a alergia emocional ainda é pouco conhecida pela maioria dos pacientes, o que acaba dificultando encontrar a solução.

Pensando nisso, o Serviço de Alergia e Imunologia da Policlínica de Botafogo esclarece neste post as principais dúvidas sobre alergia emocional. Confira!

O que é alergia emocional?

A alergia emocional é considerada como sendo um dos sintomas psicossomáticos que podem ser manifestar no corpo nos momentos de adversidades da vida.

Isso porque é uma doença que tem sua origem na psique humana e pode ser desencadeada por sobrecarga emocional, como ansiedade ou estresse.

Com isso, os níveis do hormônio cortisol são liberados no corpo de forma exacerbada, provocando o surgimento de bolinhas vermelhas na pele, além de outras irritações.

E quando não tratada no início, pode acabar evoluindo e agravando o quadro de pacientes com doenças dermatológicas pré-existentes, como por exemplo:

Além disso, outros sintomas indesejáveis também podem aparecer, como por exemplo:

  • Falta de ar;
  • Suor excessivo;
  • Insônia.

Apesar da alergia emocional ainda não ter um diagnóstico oficial, a nomenclatura faz referência ao conjunto de sintomas alérgicos provocados por sobrecarga emocional.

Alergia emocional: quais os tipos mais comuns?

É importante entender que a alergia emocional tem origem na mente e se manifesta por causa da pré-disposição genética para desenvolver doenças na pele.

Sendo a sobrecarga emocional um dos fatores a contribuir no surgimento de inflamações no corpo em forma de feridas, lesões, coceiras e outras irritações.

Veja algumas doenças de pele que podem ser agravadas em pessoas com quadro de estresse e ansiedade.

1 Urticária

urticária

A urticária é uma das doenças pré-existentes que podem ser agravadas diante de um contexto de traumas emocionais.

Trata-se de uma irritação na pele que pode ser provocada por diversos fatores, sendo as mais comuns o uso de alguns medicamentos, alimentos, doenças autoimune e também por estresse.

Em alguns casos, ela pode permanecer no corpo por semanas, meses, ou até por anos. Diante disso, investigar as suas causas é a melhor forma de evitar que elas surjam.

2 Dermatite atópica

dermatite atópica

A dermatite atópica também pode ser agravada em momentos de vulnerabilidade emocional, por isso, também é considerada um tipo de alergia emocional.

No entanto, esta é uma doença crônica e hereditária e que pode causar irritações diversas, coceira e lesões na pele.

Por isso, realizar exames de alergia para identificar a causa é a melhor forma de prevenir os sintomas, além de analisar com cautela os diversos fatores desencadeantes.

3 Psoríase

Psoriase

A psoríase é uma doença inflamatória crônica que também pode ser desencadeada por motivos emocionais.

Portanto, a psoríase pode ser engatilhada diante de situações de estresse, frio e infecções, e seus sintomas mais comuns são a irritação na pele ou erupções cutâneas.

Com isso, causando descamação da pele na área afetada, sendo muito comum se manifestar no couro cabeludo e nas articulações.

Contudo, existem vários tipos de psoríase e diferentes sintomas, cabendo ao médico especialista fazer este diagnóstico.

4 Vitiligo

vitiligo

A alergia emocional também está relacionada à doença do vitiligo, visto que as vivências estressantes podem desencadear o início da doença.

E com isso, piorar ainda mais o quadro de saúde emocional da pessoa, já que suas características afetam a aparência e a autoestima da pessoa.

Isso porque o vitiligo tem como principal característica o surgimento de manchas brancas na pele, causadas pela ausência de melanina.

Já que a melanina tem a função de pigmentar o tecido epitelial, ou seja, é ela que dá a cor para a pele.

Diante disso, o fator genético e o fator emocional são importantes instrumentos para controlar a doença.

Alergia emocional: causas

A alergia emocional é um processo multifatorial que também pode ser desencadeado por fatores emocionais.

Isso porque são as emoções que regulam os níveis dos hormônios estressores no organismo, e com isso, impactando diretamente na imunidade do corpo.

Mas quando a imunidade do corpo está desequilibrada, os anticorpos não conseguem cumprir a sua função a contento.

Com isso, não são capazes de defender o organismo dos possíveis patógenos que podem atacar, inesperadamente, como gripes e alergias, por exemplo.

Além disso, é importante frisar que o sistema imunológico é modulado pelos processos químicos do estresse e da ansiedade.

Estes processos químicos envolvem ações químicas no sistema endócrino e no sistema nervoso, por isso, eles são importantes para proteger o organismo de infecções.

Portanto, o estresse e a ansiedade são processos químicos naturais do organismo, e são necessários em situações adversas, às quais todos estamos expostos.

Mas se eles funcionam de forma inadequada, podem fazer surgir os processos infecciosos no organismo, como o desenvolvimento das alergias, por exemplo.

Apesar do peso genético no quadro de sintomas da alergia emocional, fatores como a imunidade e a saúde emocional, têm forte impacto na solução do problema.

Alergia emocional: como aliviar os sintomas?

O médico alergista, assim conhecido popularmente, possui a perícia médica necessária para identificar as causas da alergia emocional.

Assim, poderá indicar o tratamento completo para curar as doenças passíveis de cura, ou estabilizar os sintomas para minimizar a irritação e o desconforto.

Para isso, poderão ser receitados medicamentos anti-alérgicos para aliviar a coceira, a vermelhidão e o inchaço, sintomas comuns em processos de alergias cutâneas.

Pode-se usar tambem:

  • Corticoides tópicos e orais
  • Hidratantes
  • Imunossupressores
  • Imunobiológicos

Em complemento a isso, também poderá agregar ao tratamento o encaminhamento do paciente ao psicólogo para tratar as questões emocionais.

Assim, controlando os fatores desencadeantes das doenças de pele, é possível estabilizar o quadro alérgico e ter mais qualidade de vida.

Conclusão

Por fim, a alergia emocional é uma reação do organismo aos agentes nocivos à saúde do corpo e pode ser desencadeada por fatores emocionais desregulados.

Então, para tratar o problema, é recomendado buscar a ajuda do médico alergologista para traçar o diagnóstico completo do quadro.

Para isso, o Serviço de Alergia e Imunologia da Policlínica de Botafogo fica à disposição para consultas, exames e tratamentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>